Por que usar próteses dentárias falsificadas é perigoso

0
Por que usar próteses dentárias falsificadas é perigoso

Além do risco para a saúde do paciente, trabalhar com próteses dentárias falsificadas pode trazer prejuízo financeiro e muita dor de cabeça para o dentista também.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratório (Abimo), 30% das próteses dentárias implantadas no Brasil têm algum tipo de falsificação.

O dado é preocupante. E o pior é que próteses dentárias qualidade duvidosa podem ser facilmente encontradas, como, por exemplo, nas redes sociais. No Facebook, é possível vê-las à venda a partir de R$ 10.

As peças das próteses dentárias mais imitadas são os componentes que se fixam nos pinos. Eles são produzidos com dimensões de encaixe mais folgadas – isso para que sejam afrouxadas mais facilmente.

No espacinho que sobra, bactérias se proliferam. Consequentemente, vêm a inflamação, que pode provocar até mesmo a perda da prótese dentária.

Como escapar de próteses dentárias falsificadas

É praticamente impossível descobrir a adulteração a olho nu. Por isso, a dica para o consumidor que quer escapar do golpe é pedir ao dentista:

  • A nota fiscal com os dados do fornecedor do produto;
  • O número de registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);
  • O nome do laboratório de próteses responsável.

O dentista pode seguir praticamente essas mesmas recomendações acima. Há, ainda, mais dicas para driblar os concorrentes falsos, como contratar laboratórios de próteses que dão garantia da mercadoria.

Por fim, o dentista pode procurar estabelecimentos que são registrados nos principais órgãos da Odontologia. Essa busca pode ser feita até mesmo pela internet, pelo aplicativo BookLab. Através da geolocalização, ele recebe uma lista de laboratórios de próteses e de protéticos cadastrados.

Pelo app, também dá para checar as agendas disponíveis e fazer os pedidos. O pagamento pode ser efetuado por boleto bancário ou cartão de crédito. Depois, é só acompanhar desde a produção até a entrega do pedido.

Mais no Blog BookLab

Para saber mais sobre o assunto, acesse o nosso blog. Até a próxima!